Artigos

A Contribuição Social sobre o Lucro e a imunidade tributária a templos religiosos — Willer Tomaz

Por Willer Tomaz 

Acaba de ser vetado pelo presidente da República o artigo 8º da Lei nº 14.057/2020, que alterava a Lei da Contribuição Social sobre o Lucro das Pessoas Jurídicas (CSLL) para reconhecer expressamente aos templos religiosos, no tocante a essa contribuição, a imunidade tributária prevista no artigo 150, inciso VI, "b", da Constituição Federal.

A contribuição social em comento foi instituída pela Lei nº 7.689/1988 e constitui espécie de tributo com o objetivo de financiamento da Seguridade Social, tendo como contribuintes "as pessoas jurídicas domiciliadas no País e as que lhes são equiparadas pela legislação tributária", conforme dispõe o artigo 4º da vetusta lei.

Já a novel lei aprovada no parlamento, por sua vez, previa no expurgado artigo 8º que "são contribuintes as pessoas jurídicas estabelecidas no País e as que lhe são equiparadas pela legislação tributária, ressalvadas as vedadas na alínea 'b' do inciso VI do caput do artigo 150 da Constituição Federal, na forma restritiva prevista no §4º do mesmo artigo".

O referido dispositivo constitucional, como se vê, trata da imunidade tributária outorgada aos templos religiosos, segundo a qual "é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: (...) VI - instituir impostos sobre (...) b) templos de qualquer culto".

No meio jurídico, vozes aqui e acolá fustigaram a proposta legislativa ao fundamento de que "contribuição social" e "imposto" são institutos distintos, não sendo o primeiro alcançado pela renúncia constitucional, de modo que o veto presidencial seria inevitável.

Ocorre que a assertiva não guarda exata correção e, quiçá, pertinência com a controvérsia, haja vista que, à luz da Constituição Federal, que estabeleceu a imunidade ao templos como desdobramento da liberdade religiosa, pouco importa se a "contribuição" é "imposto" ou não, ou se a imunidade alcança, ou não, as chamadas contribuições sociais.

Isso porque a Lei nº 7.689/1988 instituiu a contribuição apenas em face das pessoas jurídicas que venham efetivamente a auferir lucro, condição na qual não se enquadram os templos religiosos se a receita é proveniente das suas atividades essenciais, sem natureza de lucro para efeito de tributação — tanto que o restante do diploma sancionado pelo presidente da República manteve incólume a previsão de que a remuneração dos sacerdotes não constitui fato gerador de contribuição previdenciária —, e se não houve desvio de finalidade dos recursos, situação excepcional que, uma vez comprovada, não é alcançada pela imunidade constitucional, o que não foi sequer objeto da proposta legislativa.

A propósito, note-se que está expressamente consignado no artigo 150, §4º, da Constituição Federal, que "as vedações expressas no inciso VI, alíneas 'b' e 'c', compreendem somente o patrimônio, a renda e os serviços, relacionados com as finalidades essenciais das entidades nelas mencionadas", e que, consoante o artigo 57 da Lei nº 8.981/1995, "aplicam-se à Contribuição Social sobre o Lucro (Lei nº 7.689, de 1988) as mesmas normas de apuração e de pagamento estabelecidas para o imposto de renda das pessoas jurídicas", tendo sido esse, aliás, o amparo do próprio Fisco para, em 2006, na Solução de Consulta SRRF 9/Disit nº 212, reconhecer a impossibilidade de incidência da CSLL sobre a receita dos templos religiosos. Entendimento retratado posteriormente em 2013, na Solução de Consulta SRRF 8/Disit nº 4.

Portanto e a rigor, sob um olhar jurídico-tributário, pode-se dizer que o dispositivo legal vetado não inovaria a disciplina da matéria já posta na Constituição Federal e na Lei nº 7.689/1988, máxime porque a receita oriunda da atividade religiosa e aplicada na sua finalidade essencial não configura lucro para efeito de tributação, não tendo a proposta legislativa nem mesmo insinuado disciplinar as situações de desvio de finalidade dos recursos, hipótese não alcançada pela imunidade constitucional.

WILLER TOMAZ

WILLER TOMAZ

WILLER TOMAZ

Artigo publicado no Conjur no dia 18 de setembro de 2020.


 

WT Advogados

 

O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS está comprometido com a privacidade dos dados dos seus usuários no ambiente da Internet.

1 - Identificação: O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS é uma sociedade de advogados, devidamente inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, sob o nº 1.772, que presta serviços especializados na área jurídica, nos mais diversos campos do Direito. Estabelecida em Brasília, Distrito Federal, no SHIS QI 01 Conjunto 04 Casa 25, Lago Sul, elaborou sua Política de Privacidade embasada nos Princípios Internacionais, amplamente reconhecidos no âmbito das “Práticas justas no tratamento da informação”.

2 - Informação: O escritório está comprometido com a privacidade de dados pessoais dos usuários cadastrados, conferindo aos mesmos os necessários padrões de segurança, preservando os princípios éticos de transparência no tratamento, controle e uso das informações. Tem como política basilar colher apenas as informações e dados necessários para perfeita consecução dos serviços profissionais oferecidos. Todas as informações e dados pessoais dos usuários colhidos pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS são confidenciais e não são repassados a terceiros.

3 - Legalidade, Conformidade Internacional e Limites Éticos: Considerando os serviços especializados que o escritório oferece, bem como a atividade profissional exercida, adstritos aos ditames elencados no Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, é preservado o sigilo profissional na relação entre advogado e cliente (artigos 25, 26 e 27 do Código de Ética e Disciplina).

4 - Acessibilidade: O usuário cadastrado terá acesso ao(s) seu(s) processo(s) acompanhado(s) pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS, mediante o uso de senha pessoal, dentro dos limites legais e éticos vigentes, devendo, para tanto, solicitar o referido acesso através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Informações e termos legais | Política de privacdade.