Artigos

Prisão em segunda instância e o sentimentalismo das massas

Por Willer Tomaz

Como guardião da Constituição e pilar da democracia, o Supremo Tribunal Federal vem enfrentando ao longo de suas décadas de existência os temas mais caros para a República e para os indivíduos.

Como reflexo de tempos sombrios, de reações

desordenadas das ruas contra tudo o que está aí, a corte se depara mais uma vez com o problema da prisão em segunda instância, ou seja, antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória.

Nos últimos anos, o assunto dominou o imaginário popular com os desvios e erros próprios das paixões comuns, demonstrando, em mais um exemplo real, que as decisões não devem advir das massas, pois de fato, como ensinou Miguel Reale em seu discurso sobre o método no Direito, o homem do vulgo pode conhecer certo, mas não tem certeza da certeza.

estado de coisas inconstitucional de fato é um calo doloroso nos pés e dedos de uma sociedade marcada pelo litígio estrutural, pela violação massiva dos direitos fundamentais e pela omissão deliberada dos Poderes constituídos.

Todavia, a transformação do status quo deve se dar com ações organizadas, respeitando-se os processos internos e as conquistas históricas, sob pena de gravosos retrocessos e aprofundamento das violações estruturais.

A retórica policialesca, a punitivista e qualquer outra com as vestes do Panopticon de Jeremy Bentham, de que se ocupou Foucault[2], tem sempre fácil trânsito no sentimentalismo das massas, eis que, utilizando a assertiva de Theodore Dalrympletransmite um calorzinho ao suscetível, assim como um gole de uísque provoca um quentinho no esôfago[3].

O caldo cultural engrossa ou adelgaça conforme a adoção geral da visão romântica e sentimental da existência, com pitadas de emoções desordenadas e corrompidas que conduzem, ao fim e ao cabo, à brutalidade benzida pela superioridade moral dos ungidos fins dos que se julgam detentores da razão.

Prudente é a advertência dos céus, de que todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o Senhor pesa o espírito (Provérbios, 16:2), de modo que aos indivíduos em grupo só resta, ao menos no plano da matéria, depositar melhor confiança nas leis que nos sentimentos e na emoções.

A Constituição Federal de 1988, codificada com as razões últimas, os motivos lógicos e morais que guiaram o legislador originário, consagrou o princípio de não culpabilidade em contraposição a mil e um anos de guilhotina, gerando assim mais do que uma expectativa de direito, qual a clareza da previsão estampada na Carta, de que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória (artigo 5º, inciso LVII).

A flexibilização da presunção de não culpabilidade foi objeto mais recentemente dos julgamentos pela suprema corte do HC 126.292/SP e do ARE 964.246/SP. E novamente a corte se debruçará sobre o tema por ocasião do julgamento da ADC 43/DF e da ADC 44/DF, no próximo 10 de abril, momento propício para a Justiça se aconselhar com vetustos dizeres de Confúcio, para quem não corrigir as próprias falhas é cometer a pior delas.

Não se pode antecipar o que virá. Mas é certo que se inspirar no sentimentalismo das massas terminará por tragar de volta aos pulmões da democracia a asfixia das cinzas do Império, quando era a praxe enjaular cidadãos antes mesmo de uma condenação em primeira instância. Lembremo-nos que, quando o povo teve a oportunidade de ser juiz, condenou Jesus e salvou Barrabás.

[1] GORDON, Flávio. Hitler tinha um canário: notas sobre o sentimentalismo, 2018. Disponível em: <https://www.gazetadopovo.com.br/colunistas/flavio-gordon/2018/11/21/hitler-tinha-um-canario-notas-sobre-o-sentimentalismo>. Acesso em: 19.mar.2019.
[2] Foucault, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.
[3] DALRYMPLE, Theodore. Podres de Mimados: as consequências do sentimentalismo tóxico. São Paulo: É Realizações, 2015. p. 72.

WT Advogados

 

O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS está comprometido com a privacidade dos dados dos seus usuários no ambiente da Internet.

1 - Identificação: O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS é uma sociedade de advogados, devidamente inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, sob o nº 1.772, que presta serviços especializados na área jurídica, nos mais diversos campos do Direito. Estabelecida em Brasília, Distrito Federal, no SHIS QI 01 Conjunto 04 Casa 25, Lago Sul, elaborou sua Política de Privacidade embasada nos Princípios Internacionais, amplamente reconhecidos no âmbito das “Práticas justas no tratamento da informação”.

2 - Informação: O escritório está comprometido com a privacidade de dados pessoais dos usuários cadastrados, conferindo aos mesmos os necessários padrões de segurança, preservando os princípios éticos de transparência no tratamento, controle e uso das informações. Tem como política basilar colher apenas as informações e dados necessários para perfeita consecução dos serviços profissionais oferecidos. Todas as informações e dados pessoais dos usuários colhidos pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS são confidenciais e não são repassados a terceiros.

3 - Legalidade, Conformidade Internacional e Limites Éticos: Considerando os serviços especializados que o escritório oferece, bem como a atividade profissional exercida, adstritos aos ditames elencados no Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, é preservado o sigilo profissional na relação entre advogado e cliente (artigos 25, 26 e 27 do Código de Ética e Disciplina).

4 - Acessibilidade: O usuário cadastrado terá acesso ao(s) seu(s) processo(s) acompanhado(s) pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS, mediante o uso de senha pessoal, dentro dos limites legais e éticos vigentes, devendo, para tanto, solicitar o referido acesso através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Informações e termos legais | Política de privacdade.