Artigos

Uma Justiça sem casuísmos reforça certezas e evita conflitos - Willer Tomaz

O Supremo Tribunal Federal, na última quinta-feira (14/3), em sessão do Plenário,

no AgReg no Inq 4.435/DF, firmou o entendimento de que a competência penal da Justiça Eleitoral se estende aos delitos conexos com crimes eleitorais.

O referido julgado deliberou para além das regras processuais que norteiam a persecução penal, pois prestigiou, em primeiro lugar, os postulados mais elementares do Estado Democrático de Direito.

A ideia moderna de Estado Democrático tem raízes no século XVIII, implicando a afirmação de certos valores fundamentais da pessoa humana, bem como a exigência de organização e funcionamento do Estado tendo em vista a proteção daqueles valores [1].

Assim é que a proteção à Constituição Federal e aos direitos e garantias individuais que dela decorrem constituem condição sine qua non, o ponto inicial e de apoio para a existência e para o desenvolvimento de uma nação madura e próspera.

Consciente, o ministro Celso de Mello então pontuou, em seu voto, que a questão debatida se destacava pela extrema importância e de altíssimo relevo, pois envolve a definição sobre a extensão dos poderes do Estado em face dos direitos e garantias que a Constituição da República outorgou às pessoas sujeitas, por suposta prática delituosa, a atos de investigação criminal ou de persecução penal em juízo.

Não poderia ser diferente o irretorquível entendimento de Sua Excelência, afinal o processo penal intervém nos direitos fundamentais da pessoa humana, individualmente considerados, da maneira mais terrível, concreta, direta e ‘inesperada’ [2].

Necessitam-se, então, para uma nação se ver democrática, de um conjunto de freios e contrapesos, de um processo penal forte e de um sistema de invalidades avançado, dependentes, por sua vez, da criação e da estruturação de formas, que vale lembrar, não se reduzem a requisitos formais previstos em lei, mas elas incorporam, mesmo, o conteúdo substancial do direito fundamental que visam a proteger, e é possível compreender, portanto, com clareza solar, o exato sentido da expressão ‘forma é garantia’ [3].

Nesse enredo, os órgãos da jurisdição foram concebidos para funcionar sob o princípio do juízo natural: eis a forma proclamada pela Constituição Federal para garantir que ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente (artigo 5º, inciso LIII) e que, assim, não haverá juízo ou tribunal de exceção (artigo 5º, inciso XXXVII).

A competência criminal no Brasil é exercida pelas justiças especiais, da qual são espécies a Justiça Militar e a Justiça Eleitoral, bem assim pela justiça comum, da qual são espécies a Justiça Federal e a Justiça Estadual.

O Código de Processo Penal, que prescreve formas à luz dos preceitos constitucionais máximos, dispõe que no concurso entre a jurisdição comum e a especial, prevalecerá esta(artigo 78, inc. IV).

Claro está, pois, que, longe de qualquer casuísmo, havendo conexão entre um crime de competência da justiça comum, federal ou estadual, e um crime de competência da Justiça Eleitoral, esta última exercerá força atrativa para o processamento e julgamento da causa.

De outro lado, a Justiça Eleitoral, composta por seus Tribunais e Juízes Eleitorais, é o próprio Poder Judiciário (CF, artigo 92, incigo V), restando sem razão supor, contra legem, não deter essa justiça especial a organização e a estrutura para o exercício das suas competências exclusivas e privativas.

A rigor, o Supremo Tribunal Federal exerceu a sua competência de guardião da Constituição, pois assegurou uma Justiça sem casuísmos, reforçou certezas e evitou conflitos ao observar a formaestabelecida prévia e democraticamente para proteção das liberdades do indivíduo frente ao sistema repressor do Estado.

 

Fonte: Conjur


[1] DALLARI; Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. São Paulo: Saraiva, 1998. p. 145.

[2] FEITOZA, Denílson. Direito processual penal: teoria, crítica e práxis. 5. ed. rev., ampl. e atual. Niterói: Impetus, 2008. p. 42.

[3] RAMALHO JUNIOR, Elmir Duclerc; ALMEIDA, Cibelle Barretto. Leituras Complementares de Processo Penal. Nulidades no Processo Penal: do tradicional “inferno teórico”a uma racionalidade garantista. Salvador: JusPODIVUM, 2008. p. 80-81.

Willer Tomaz

Willer Tomaz

Willer Tomaz

WT Advogados

 

O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS está comprometido com a privacidade dos dados dos seus usuários no ambiente da Internet.

1 - Identificação: O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS é uma sociedade de advogados, devidamente inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, sob o nº 1.772, que presta serviços especializados na área jurídica, nos mais diversos campos do Direito. Estabelecida em Brasília, Distrito Federal, no SHIS QI 01 Conjunto 04 Casa 25, Lago Sul, elaborou sua Política de Privacidade embasada nos Princípios Internacionais, amplamente reconhecidos no âmbito das “Práticas justas no tratamento da informação”.

2 - Informação: O escritório está comprometido com a privacidade de dados pessoais dos usuários cadastrados, conferindo aos mesmos os necessários padrões de segurança, preservando os princípios éticos de transparência no tratamento, controle e uso das informações. Tem como política basilar colher apenas as informações e dados necessários para perfeita consecução dos serviços profissionais oferecidos. Todas as informações e dados pessoais dos usuários colhidos pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS são confidenciais e não são repassados a terceiros.

3 - Legalidade, Conformidade Internacional e Limites Éticos: Considerando os serviços especializados que o escritório oferece, bem como a atividade profissional exercida, adstritos aos ditames elencados no Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, é preservado o sigilo profissional na relação entre advogado e cliente (artigos 25, 26 e 27 do Código de Ética e Disciplina).

4 - Acessibilidade: O usuário cadastrado terá acesso ao(s) seu(s) processo(s) acompanhado(s) pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS, mediante o uso de senha pessoal, dentro dos limites legais e éticos vigentes, devendo, para tanto, solicitar o referido acesso através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Informações e termos legais | Política de privacdade.