Notícias

Acompanhe as ultimas notícias no mundo jurídico.

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) anulou interrogatório de Ailson Martins de Lima, ex-diretor de Manutenção e Abastecimento da autarquia Saneamento Básico do Município de Mauá/SP (SAMA), realizado durante busca e apreensão em sua residência.

Na reclamação, a defesa alegou que a atuação policial violou o direito constitucional à não autoincriminação, já ratificado pelo STF no julgamento das Arguições de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPFs) 395 e 444, referentes à inconstitucionalidade da condução coercitiva de réu ou investigado para prestar depoimento.

No voto, o relator, ministro Gilmar Mendes, considerou que houve violação do direito ao silêncio e à não autoincriminação na realização de “interrogatório travestido de ‘entrevista’”, documentada durante a diligência. Para ele, não foi assegurado ao investigado o direito à prévia consulta a seu advogado e nem se certificou o direito ao silêncio e a não produzir provas contra si mesmo.

Para o advogado Willer Tomaz, do escritório Willer Tomaz Advogados Associados, o interrogatório realizado durante busca e apreensão na casa de investigado contraria o devido processo legal e configura abuso. “A Constituição assegura a todos o direito ao silêncio e de não ser interrogado sem a oportunidade da presença de um advogado, garantias essas que são decorrentes dos direitos de defesa e de não autoincriminação. Transformar a busca e apreensão de pessoas ou objetos em interrogatório, em especial sem dar ao interrogando a oportunidade de se fazer acompanhado de advogado, é uma flagrante violação do devido processo legal e configura abuso por parte do agente público, que ao proceder dessa maneira, estará, na verdade, desviando a finalidade do mecanismo legal e prejudicando o interesse do acusado, numa inadmissível subversão das garantias constitucionais”.

O ex-diretor de Manutenção e Abastecimento da autarquia municipal foi afastado do cargo por determinação do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) em decorrência da Operação Trato Feito, deflagrada pela Polícia Federal para apurar fraudes em licitações e pagamento de propina na administração municipal em Mauá.

Willer Tomaz

Willer Tomaz

Willer Tomaz

WT Advogados

 

O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS está comprometido com a privacidade dos dados dos seus usuários no ambiente da Internet.

1 - Identificação: O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS é uma sociedade de advogados, devidamente inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, sob o nº 1.772, que presta serviços especializados na área jurídica, nos mais diversos campos do Direito. Estabelecida em Brasília, Distrito Federal, no SHIS QI 01 Conjunto 04 Casa 25, Lago Sul, elaborou sua Política de Privacidade embasada nos Princípios Internacionais, amplamente reconhecidos no âmbito das “Práticas justas no tratamento da informação”.

2 - Informação: O escritório está comprometido com a privacidade de dados pessoais dos usuários cadastrados, conferindo aos mesmos os necessários padrões de segurança, preservando os princípios éticos de transparência no tratamento, controle e uso das informações. Tem como política basilar colher apenas as informações e dados necessários para perfeita consecução dos serviços profissionais oferecidos. Todas as informações e dados pessoais dos usuários colhidos pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS são confidenciais e não são repassados a terceiros.

3 - Legalidade, Conformidade Internacional e Limites Éticos: Considerando os serviços especializados que o escritório oferece, bem como a atividade profissional exercida, adstritos aos ditames elencados no Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, é preservado o sigilo profissional na relação entre advogado e cliente (artigos 25, 26 e 27 do Código de Ética e Disciplina).

4 - Acessibilidade: O usuário cadastrado terá acesso ao(s) seu(s) processo(s) acompanhado(s) pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS, mediante o uso de senha pessoal, dentro dos limites legais e éticos vigentes, devendo, para tanto, solicitar o referido acesso através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Informações e termos legais | Política de privacdade.