Notícias

Acompanhe as ultimas notícias no mundo jurídico.

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou, por unanimidade, provimento ao recurso especial de um homem que ajuizou revisão criminal após descobrir que um delegado errou na investigação contra ele é filho de um suspeito, o qual não foi indiciado nem investigado .

Os ministros entendeu que a prova de suspeição de autoridade policial que atuou no inquérito, sem a manifestação de prejuízo para o réu, não é motivo para anular o processo judicial. Especialista concorda com o entendimento, mas alerta para a gravidade.
Relator do recurso no STJ, o ministro Ribeiro Dantas afirmou que as possíveis irregularidades no inquérito não afetam a ação penal. “Não há propriamente produção de provas na fase inquisitorial, mas apenas colheita de elementos informativos para subsidiar a convicção do Ministério Público quanto ao oferecimento (ou não) da denúncia. Também por isso, o inquérito é uma peça facultativa ”, observou.


De acordo com o relator, apesar dos indícios que surgiram contra o pai do delegado, “não foram conduzidas investigações posteriores sobre seu possível envolvimento na prática dos delitos apurados, o que inegavelmente causa bastante estranheza”. Para ele, a relação de parentesco entre o policial e o suspeito torna “questionável” a permanência do primeiro no inquérito e levanta dúvidas sobre a omissão do MP em apurar a sua conduta.
Ao negar provimento ao recurso, a Quinta Turma determinou ainda a remessa de cópias do processo para as corregedorias da Polícia Civil e do MP no estado, e também para a corregedoria do Conselho Nacional do Ministério Público.

O advogado Willer Tomaz, sócio do escritório Willer Tomaz Advogados Associados, também considera que a nulidade no processo penal só pode ser declarada quando houver necessidade ao réu, ou, noutras palavras, sempre que houver prejuízo.

Mas para Willer, embora o inquérito policial seja dispensável e inquisitorial, sem a obrigatoriedade de participação da defesa, é certo que um delegado de polícia suspeito na condução das diligências investigatórias é extremamente grave, pois contamina a versão oficial dos fatos desde o princípio do punitivo, gerando, por si só, claro prejuízo ao acusado, o qual já começa 'meio condenado.

“Este julgamento do STJ pode ser uma prova de que falta ao Poder Judiciário e ao Ministério Público, como fiscal da lei, uma melhor atenção aos casos de suspeição dos sujeitos na condução do processo e da investigação policial”, conclui o especialista.

WILLER TOMAZ

WILLER TOMAZ

WILLER TOM

Matéria pubicada no Jornal Tribuna.

WT Advogados

 

O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS está comprometido com a privacidade dos dados dos seus usuários no ambiente da Internet.

1 - Identificação: O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS é uma sociedade de advogados, devidamente inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, sob o nº 1.772, que presta serviços especializados na área jurídica, nos mais diversos campos do Direito. Estabelecida em Brasília, Distrito Federal, no SHIS QI 01 Conjunto 04 Casa 25, Lago Sul, elaborou sua Política de Privacidade embasada nos Princípios Internacionais, amplamente reconhecidos no âmbito das “Práticas justas no tratamento da informação”.

2 - Informação: O escritório está comprometido com a privacidade de dados pessoais dos usuários cadastrados, conferindo aos mesmos os necessários padrões de segurança, preservando os princípios éticos de transparência no tratamento, controle e uso das informações. Tem como política basilar colher apenas as informações e dados necessários para perfeita consecução dos serviços profissionais oferecidos. Todas as informações e dados pessoais dos usuários colhidos pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS são confidenciais e não são repassados a terceiros.

3 - Legalidade, Conformidade Internacional e Limites Éticos: Considerando os serviços especializados que o escritório oferece, bem como a atividade profissional exercida, adstritos aos ditames elencados no Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, é preservado o sigilo profissional na relação entre advogado e cliente (artigos 25, 26 e 27 do Código de Ética e Disciplina).

4 - Acessibilidade: O usuário cadastrado terá acesso ao(s) seu(s) processo(s) acompanhado(s) pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS, mediante o uso de senha pessoal, dentro dos limites legais e éticos vigentes, devendo, para tanto, solicitar o referido acesso através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Informações e termos legais | Política de privacdade.