Notícias

Acompanhe as ultimas notícias no mundo jurídico.

Para o advogado Willer Tomaz, delação não pode ser considerada uma prova.

No último dia 30, o grupo de trabalho da Câmara dos Deputados, que analisa o pacote de medidas anticrime encaminhado pelo ministro Sergio Moro ao Congresso, aprovou novas regras para os acordos de colaboração premiada firmados no âmbito da lei das Organizações Criminosas - 12.850/13.

Entre as mudanças, o grupo propõe que as delações, por serem instrumentos processuais para obtenção de prova, não devem ser utilizadas como única prova para incriminação. O tema não constava originalmente dos projetos que compõem o pacote anticrime, mas foi aprovado por meio de emenda aditiva proposta por integrantes do grupo.

Na avaliação do advogado Willer Tomaz, sócio do Willer Tomaz Advogados Associados, a orientação do grupo de trabalho reverbera a essência do que já foi definido pela jurisprudência e do que já está estabelecido na legislação brasileira. “Mas em um cenário de punitivismo recalcitrante, convém ao Legislativo expressar melhor os direitos e garantias dos cidadãos”, alerta.

O advogado ressalta que a delação premiada jamais pode ser considerada uma prova, mas um meio de obtenção de prova, conforme já assentou tanto o STF quanto o STJ em julgamentos recentes.

“Constituição e próprio Código de Processo Penal adotaram o sistema da persuasão racional, de modo que o julgador valorará o conjunto da prova e formará o seu convencimento, jamais emitindo decreto condenatório com base em um único depoimento ou elemento de informação. No sistema da persuasão racional, não existe uma rainha das provas, mas a necessidade de cotejo analítico do conjunto probatório a fim de determinar, com elevado grau de certeza, a solução devida da causa penal”.

Para Tomaz, o delator deve ter segurança jurídica razoável, sendo indispensável que ele tenha, como garantia, o direito de não ser incriminado em caso de afastamento do seu benefício. De acordo com o causídico, essa segurança não significa a “impunidade do delator ou o esvaziamento da acusação, pois não impede o Ministério Público de produzir, sob o contraditório, as provas que lhe cabem para sustentar as imputações penais”.

 

Willer Tomaz

Willer Tomaz

Willer Tomaz

 

Matéria publicada no portal Migalhas no dia 10/11/2019.

WT Advogados

 

O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS está comprometido com a privacidade dos dados dos seus usuários no ambiente da Internet.

1 - Identificação: O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS é uma sociedade de advogados, devidamente inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, sob o nº 1.772, que presta serviços especializados na área jurídica, nos mais diversos campos do Direito. Estabelecida em Brasília, Distrito Federal, no SHIS QI 01 Conjunto 04 Casa 25, Lago Sul, elaborou sua Política de Privacidade embasada nos Princípios Internacionais, amplamente reconhecidos no âmbito das “Práticas justas no tratamento da informação”.

2 - Informação: O escritório está comprometido com a privacidade de dados pessoais dos usuários cadastrados, conferindo aos mesmos os necessários padrões de segurança, preservando os princípios éticos de transparência no tratamento, controle e uso das informações. Tem como política basilar colher apenas as informações e dados necessários para perfeita consecução dos serviços profissionais oferecidos. Todas as informações e dados pessoais dos usuários colhidos pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS são confidenciais e não são repassados a terceiros.

3 - Legalidade, Conformidade Internacional e Limites Éticos: Considerando os serviços especializados que o escritório oferece, bem como a atividade profissional exercida, adstritos aos ditames elencados no Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, é preservado o sigilo profissional na relação entre advogado e cliente (artigos 25, 26 e 27 do Código de Ética e Disciplina).

4 - Acessibilidade: O usuário cadastrado terá acesso ao(s) seu(s) processo(s) acompanhado(s) pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS, mediante o uso de senha pessoal, dentro dos limites legais e éticos vigentes, devendo, para tanto, solicitar o referido acesso através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Informações e termos legais | Política de privacdade.