Notícias

Acompanhe as ultimas notícias no mundo jurídico.

BR do Mar traz responsabilidades sobre os aspectos como tonelagem, tipos de cargas e regimes trabalhistas para marítimos em navios afretados a tempo.

Já em análise no Congresso Nacional, o Projeto de Lei (nº 4199/2020), BR do Mar ainda traz algumas indefinições que, segundo especialistas, podem causar insegurança no investidor. Algumas dessas indefinições dizem respeito às informações mais comuns sobre a tonelagem, tipo de carga, bem como sobre o trabalho de marítimos brasileiros em embarcações de bandeira estrangeira.

De acordo com a engenheira e sócia da Leggio Consultoria, Camila Affonso, alguns pontos devem ser definidos e normatizados posteriormente à aprovação do PL. Um dos aspectos guardados para ser estabelecido por ato a fazer poder executivo é definir uma proporção de tonelagem para afretamento por tempo para subsidiária integral estrangeira. Com o projeto será permitido o afretamento, porém, até uma determinada tonelagem. Ele lembrou que ao longo de 2019, o Ministério da Infraestrutura já apresenta propostas para estes quantitativos de forma direta, porém isto foi retirado do projeto.

Outro ponto ainda sem definição no projeto se refere ao tipo de carga que será liberada para o afretamento para o cumprimento de contratos de longo prazo. Segundo ela, a proposta é que esta questão também seja definida só posteriormente. “Isso gera indefinição, pois para que as empresas que atuam no setor tomem decisões, como adquirir novos ativos ou realizar contratos de longo prazo, por exemplo, elas precisam saber até quanto ao afretar por tempo”, frisou. Ela disse que este tipo de indefinição pode acabar gerando uma cautela nas empresas para investir no segmento.

Apesar de alertar para a necessidade de clareza desses aspectos, Camila afirmou que, provavelmente, deixar estas medidas mais específicas para depois tenha sido uma estratégia do governo para não atrasar a aprovação do programa. Isso porque a discussão desses aspectos quantitativos tende a ser complexa e tomar tempo excessivo. Ela disso ainda que outra possibilidade seja fazer uma flexibilização gradual da tonelagem de afretamento por tempo permitida.

O advogado e sócio do escritório Willer Tomaz Advogados Associados, Willer Tomaz, ressaltou que embora não existam detalhes no projeto sobre o tratamento dos marítimos brasileiros, é importante frisar que o Brasil aderiu ano passado à Convenção sobre o Trabalho Marítimo (C186). Na convenção estão previstas, segundo ele, as condições mínimas para o trabalho a bordo dos navios, além de diversos direitos sociais como, por exemplo, à assistência médica, tratamento, provisão dos remédios tratados e de aparelhos terapêuticos, além de hospedagem e alimentação fora de casa, entre outros.

Porém, a própria C186 faz licença remissões às legislações nacionais dos países signatários ou um acordo de negociação coletiva, no que se refere a outros direitos. Isso significa que a convenção não se presta a todos os conflitos possíveis envolvendo direitos trabalhistas dos marítimos. No entanto, ele acredita que mesmo que ocorra a inserção de dispositivos ampliativos no texto do PL 4199/2020, com o pretexto de clarear e garantir outros direitos não oferecerá melhor solução. “Tenderá, em verdade, a agravar os entraves da legislação brasileira, mantendo o país em posição ruim no plano internacional, frustrando assim os objetivos da proposta”, disse.

Na avaliação de Tomaz, o que deve haver é uma mudança de mentalidade, pois a legislação trabalhista brasileira é “perniciosa”. Ele entende que a despeito de visar proteção do trabalhador, ela acaba por gerar incertezas e inseguranças jurídicas, bem como ônus inibitórios ao desenvolvimento da indústria naval. “Este fator tem sido preponderante na diminuição das frotas de navios estrangeiros na costa brasileira e, ao fim e ao cabo, das oportunidades de trabalho”, criticou.

Para Willer Tomaz, legislação brasileira impacta diminuição das frotas de navios estrangeiros na costa e oportunidades de trabalho

WILLER TOMAZ

WILLER TOMAZ

WILLER TOMAZ

Matéria publicada na portos e navios.

WT Advogados

 

O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS está comprometido com a privacidade dos dados dos seus usuários no ambiente da Internet.

1 - Identificação: O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS é uma sociedade de advogados, devidamente inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, sob o nº 1.772, que presta serviços especializados na área jurídica, nos mais diversos campos do Direito. Estabelecida em Brasília, Distrito Federal, no SHIS QI 01 Conjunto 04 Casa 25, Lago Sul, elaborou sua Política de Privacidade embasada nos Princípios Internacionais, amplamente reconhecidos no âmbito das “Práticas justas no tratamento da informação”.

2 - Informação: O escritório está comprometido com a privacidade de dados pessoais dos usuários cadastrados, conferindo aos mesmos os necessários padrões de segurança, preservando os princípios éticos de transparência no tratamento, controle e uso das informações. Tem como política basilar colher apenas as informações e dados necessários para perfeita consecução dos serviços profissionais oferecidos. Todas as informações e dados pessoais dos usuários colhidos pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS são confidenciais e não são repassados a terceiros.

3 - Legalidade, Conformidade Internacional e Limites Éticos: Considerando os serviços especializados que o escritório oferece, bem como a atividade profissional exercida, adstritos aos ditames elencados no Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, é preservado o sigilo profissional na relação entre advogado e cliente (artigos 25, 26 e 27 do Código de Ética e Disciplina).

4 - Acessibilidade: O usuário cadastrado terá acesso ao(s) seu(s) processo(s) acompanhado(s) pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS, mediante o uso de senha pessoal, dentro dos limites legais e éticos vigentes, devendo, para tanto, solicitar o referido acesso através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Informações e termos legais | Política de privacdade.