Notícias

Acompanhe as ultimas notícias no mundo jurídico.

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) declarou que cabe à Justiça do Trabalho julgar ação civil pública contra uma produtora de eventos por exploração de trabalho artístico de um menino de 12 anos como MC. O Supremo Tribunal Federal havia reconhecido que a concessão de autorização para trabalho artístico infantil é competência da Justiça Comum, mas neste caso, a ação envolve condições de trabalho moralmente degradantes.

De acordo com o processo, o Ministério Público do Trabalho (MPT) investigou e confirmou que, nos shows, as músicas cantadas pelo MC, além do conteúdo erótico, faziam apologia a diversas condutas criminosas, como exploração sexual de crianças e adolescentes, prática de atividades sexuais por menores de 14 anos, relação sexual não consentida e consumo de bebidas alcóolicas. A Justiça Comum chegou a proibir as apresentações do menino em várias cidades, mas a produtora não assinou o Termo de Ajuste de Conduta proposto pelo MPT, e continuou a produzir os shows.

O advogado Willer Tomaz explica que a preocupação com o trabalho infantil é fruto da evolução da civilização e que, no Brasil, a legislação autoriza menores de idade a trabalharem em situações excepcionais, a partir dos quatorze anos. “Suspeita-se que desde o Código de Hamurabi, no ano 2.000 a.C, já se buscava alguma proteção aos infantes. Mas é a partir dos séculos XIX e XX, na Europa, em especial após a Primeira Guerra Mundial, que se avançou na regulamentação do trabalho para menores”, destaca. O especialista também lembra que o nosso legislador constituinte, em 1988, atento às convenções internacionais e à natural evolução das civilizações, “estabeleceu o princípio da proteção integral no art. 227, o qual assegura com absoluta prioridade os direitos fundamentais da criança e do adolescente, atribuindo conjuntamente à família, à sociedade e ao Estado o dever de proteção”. Para ele, é nesse sentido que a Constituição veda o trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito anos, bem como proíbe qualquer trabalho a menores de dezesseis, salvo na condição de aprendiz, a partir dos quatorze.

Para o advogado, a limitação normativa alcança trabalho artístico e visa a assegurar a integridade da criança e do adolescente, cujos interesses estão acima de quaisquer outros. “Veja que temos como valores constitucionais o trabalho, a livre iniciativa, o pluralismo de ideias e a liberdade de expressão. Porém, a criança e o adolescente devem sempre estar a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. Com isso, a sociedade brasileira entende que a dignidade humana goza de ainda maior relevo quando se trata de pessoa em plena formação física e psíquica, cujos interesses estão acima de quaisquer outros. Na prática, a sociedade não quer criança e nem adolescente na promiscuidade de trabalho degradante, insalubre ou perigoso, tenha o trabalho natureza artística ou estritamente laboral. Em outras palavras, a proibição constitucional quer a proteção da infância e da juventude nas mais diversas formas de trabalho, sejam quais forem, inclusive de natureza artística”, afirma.

Na ação, o Ministério Público do Trabalho pede indenização por dano moral coletivo de pelo menos R$ 2 milhões. O processo tramita em segredo de justiça.

Willer Tomaz

Willer Tomaz

Willer Tomaz

WT Advogados

 

O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS está comprometido com a privacidade dos dados dos seus usuários no ambiente da Internet.

1 - Identificação: O escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS é uma sociedade de advogados, devidamente inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, sob o nº 1.772, que presta serviços especializados na área jurídica, nos mais diversos campos do Direito. Estabelecida em Brasília, Distrito Federal, no SHIS QI 01 Conjunto 04 Casa 25, Lago Sul, elaborou sua Política de Privacidade embasada nos Princípios Internacionais, amplamente reconhecidos no âmbito das “Práticas justas no tratamento da informação”.

2 - Informação: O escritório está comprometido com a privacidade de dados pessoais dos usuários cadastrados, conferindo aos mesmos os necessários padrões de segurança, preservando os princípios éticos de transparência no tratamento, controle e uso das informações. Tem como política basilar colher apenas as informações e dados necessários para perfeita consecução dos serviços profissionais oferecidos. Todas as informações e dados pessoais dos usuários colhidos pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS são confidenciais e não são repassados a terceiros.

3 - Legalidade, Conformidade Internacional e Limites Éticos: Considerando os serviços especializados que o escritório oferece, bem como a atividade profissional exercida, adstritos aos ditames elencados no Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil, é preservado o sigilo profissional na relação entre advogado e cliente (artigos 25, 26 e 27 do Código de Ética e Disciplina).

4 - Acessibilidade: O usuário cadastrado terá acesso ao(s) seu(s) processo(s) acompanhado(s) pelo escritório WT ADVOGADOS ASSOCIADOS, mediante o uso de senha pessoal, dentro dos limites legais e éticos vigentes, devendo, para tanto, solicitar o referido acesso através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Informações e termos legais | Política de privacdade.