Uma funcionária que alegava ter tido seu bem-estar psicológico e sua imagem violados por uma revista imposta pelo empregador não será indenizada por dano moral.

O pedido indenizatório foi recusado pela 3ª Turma do TST, que não encontrou excessos no procedimento imposto a todos os funcionários. A revista consistia em o próprio trabalhador abrir a sua bolsa e retirar seus pertences.

WILLER TOMAZ

WILLER TOMAZ

WILLER TOMA

Fonte: TST